Nonato Luiz e Túlio Mourão lançam disco no Museu de Arte da Pampulha

Jornal O estado de minas
Caderno Cultura
Ailton magioli


A substituição da faixa-título e a mudança do próprio título do disco foram as formas encontradas por Nonato Luiz e Túlio Mourão para recuperar os direitos de sua música, usurpada literalmente diante da má-fé dos proprietários de um extinto selo. Lançado originalmente pelo Caju Music, Carioca, de 1991, ganha novo master, agora sob o título de Mangabeira, viabilizado pelo Jazz Mineiro, de propriedade de Túlio. Inspirado, o disco, com repertório de temas dos dois instrumentistas (alguns, de Túlio, feitos para o cinema), terá lançamento em concerto único, quarta-feira à noite, no Museu de Arte da Pampulha, onde o violonista cearense e o pianista mineiro inauguram a programação 2009 do projeto Música no Museu.

“Perdemos o controle do disco original, que é vendido até hoje, via internet, a partir de Londres”, revela Túlio Mourão, admitindo que o “negócio” é proporcionado por um dos sócios do Caju Music, que teria levado o original para o exterior. “Como não recebemos os direitos, o novo master foi a única forma que encontramos para recuperar a nossa obra”, acrescenta o músico, que se tornou amigo do violonista quando os dois moravam no Rio e frequentavam e tocavam no lendário Chico’s Bar. O encontro do violão de assumida inspiração erudita de Nonato com o reconhecido teclado de Túlio resultou em um disco digno do denominado rótulo de jazz brasileiro, onde o que se sobressai são as belas melodias e harmonias criadas pelos dois.

O duo piano-violão, segundo Túlio Mourão, proporciona uma situação de extrema riqueza musical, diante das amplas possibilidades harmônica, rítmica e melódica dos dois instrumentos. “Trata-se de uma excelente oportunidade para exibir todas as nuances dos instrumentos”, constata Túlio. Ele chama a atenção para a vertente original do violão do amigo cearense, que é menos bossa nova e jazz. “O lado melódico do violão de Nonato é muito cativante”, elogia Túlio Mourão. Nonato Luiz, por sua vez, destaca a profundidade da criação musical de Túlio, lembrando que nem sempre o encontro piano-violão funciona como neste trabalho. “Os sons têm de ser completos para poder combinar”, justifica. E explica que um instrumento pode até atrapalhar o outro, quando os músicos não têm algo em comum.


MANGABEIRA (Repertório)

Choro acadêmico, Nonato Luiz
Viola violada, Nonato Luiz
Mangabeira, Nonato Luiz
Uma vez romance, Túlio Mourão
Mouro blues, Nonato Luiz
Baião cigano, Nonato Luiz
Um dia, um sonho, Nonato Luiz
Teia de renda, Túlio Mourão
Grande Otelo, Túlio Mourão
Depois da paixão, Túlio Mourão



TÚLIO MOURÃO E NONATO LUIZ
Museu de Arte da Pampulha, Av. Otacílio Negrão de Lima, 16.585, Pampulha, (31) 3277-7996. Quart-feira (11/02), 21h. R$ 10, na bilheteria do MAP e na CD Plus (Rua Paraíba, 1.399, Savassi).

 
  Nonato Luiz: nonato@nonatoluiz.com.br Forma Criativa